PRETAS PALABRAS


 Muitos caminhos serão traçados durante o módulo Pretas PalaBRas, a sexualidade, o afeto, a poesia, o corpo, a música, a História, a cultura e a resistência são temáticas que passarão pelas atividades como forma de representar a multiplicidade e a unidade das vivências individuais e coletivas do povo preto. A programação criada pelo coletivo Pretas PalaBRas apresenta, além de dos tradicionais saraus de poesias, outras manifestações artísticas como performances audiovisuais, música, videopoema, contação de histórias, conversas sobre corpos dissidentes, negritude e o cenário da arte.

Confira abaixo a programação gratuita que irá acontecer no Facebook dos coletivos parceiros nesta edição da Mostra Cênica Resistências.


SARAU ERÓTICO ACORDEI GOSTOSA

Pretas PalaBRas + Dandara Suburbana (RJ)

24/4 – sábado – 20h

Facebook: Cia. Cênica

Duração: 90 minutos

Classificação: 18 anos

Com elevada umidade relativa dos vãos e versos, o sarau Acordei Gostosa vem desfilar gozo, prazer e irreverência. Para nós, tesão é afeto, e como bem diz a convidada especial Dandara Suburbana, “a gente não separa as coisas como o ocidente branco”. Está tudo junto e misturado, sexo também é dengo, putaria tem afeto e tudo se (con)funde. Gozemos!

Pretas PalaBRas é um coletivo poético de voz e resistência de mulheres negras, que promove a vida, a luta, a visibilidade e o protagonismo preto e feminino por meio da poesia. Carolina Rocha é Dandara Suburbana e vice-e-versa. Mulher preta, de Xangô, gorda, militante antirracismo, escritora e historiadora. Pesquisou mulheres processadas por bruxaria e feitiçaria no Brasil, o que gerou o livro “O Sabá do Sertão” (Paco Editorial, 2015). Foi co-autora do livro “Lâmina” (Arte Sabali, 2018), e “Ser Prazeres: transbordações eróticas de mulheres negras” (Oralituras, 2020), entre outros. É idealizadora do projeto Ataré Palavra Terapia, que trabalha com escrita criativa, literatura e autocuidado. | Foto Pretas PalaBRas: Anderson Carvalho | Foto Dandara: Cristian Maciel


CONTOS NEGROS: MEMÓRIAS DE ÁFRICA

Rosangela Ribeiro

25/4 – domingo – 18h

Facebook: Cia. Cênica

Duração: 20 minutos

Classificação: Livre

Contação de história de protagonismo negro, trazendo a sabedoria, a cultura, toda representatividade e os ricos ensinamentos de nossos ancestrais de África. As histórias nos são sagradas, e contá-las nos faz perpetuar nossas raízes que jamais devem ser apagadas.

Rosangela Ribeiro é educadora de nascimento e por opção. Professora atuante na Educação Básica há 15 anos; mãe; contadora de histórias; apaixonada pela arte, pela educação e pelo poder que elas nos oferecem.


CÉU DA PALAVRA: ONDE SE ENCONTRAM STELA E CAROLINA

Anna Magalhães

26/4 – segunda – 12h e 18h

Facebook: Coletivo Primavera nos Dentes

Duração: 15 minutos cada ato

Classificação: Livre

Performance poética baseada nas obras e vidas das poetas negras Stela do Patrocínio e Carolina Maria de Jesus. A performance audiovisual é dividida em dois atos que ligam a realidade extrema de Carolina com a “loucura” de Stela em um limbo de ideias comuns e corporeidades poéticas. A escrita e a voz são o único caminho para essas duas almas sensíveis e lúcidas, assassinadas todos os dias pela desumanização, mas que acabam por encontrar na palavra o seu paraíso.

Anna Magalhães é graduada em Licenciatura em Letras pela UNESP São José do Rio Preto, cidade onde reside. Artista multimídia, suas produções passam pela escrita, arte visual e performance e incluem (também) questões de gênero e raça. Desde 2015 faz parte do coletivo poético Pretas PalaBRas, além de participar ações literárias, publicações, workshops e palestras. Alguns de seus trabalhos foram cronista do jornal Diário da Região entre 2014 e 2019, crítica no Festival Internacional de Teatro (FIT) em 2019 e instrutora do curso de Literatura dos Núcleos de Artes e Cultura de Rio Preto em 2020.


FARTO

Mayara Ísis

27/4 – terça – 12h e 18h

Facebook: Agrupamento Núcleo2

Duração: 15 minutos cada parte

Classificação: 16 anos

far·to

adj

1 Que existe ou pode ser encontrado em grande quantidade; abundante, copioso.

2 Que está cheio; repleto, atulhado.

3 Com o corpo forte, sadio, bem nutrido; gordo, corpulento.

Reverberando dentro a poeta transborda em uma performance audiovisual suas memórias afeto e partilha com o público cartas endereçadas a amores que foram embora, mas dela não partiram. Enunciando poesias ao tempo, ela molha o corpo de quem assiste com dengo, saudade, desejo, afeto, luto, despedida, tesão, memórias, vida…

Mayara Ísis (…) PRETA, MULHER, POETA EM TRANSE. Poeta residente e produtora no coletivo Pretas PalaBRas, passeia publicamente pela poesia há 8 anos. Co-fundadora do coletivo Òbàrá Afro Cultural, atua como produtora cultural desde 2010 em eventos voltados à cultura negra. Em 2019 idealizou o Sarau Versos que te Fiz, voltado à expressão artística do afeto. | Foto: Guilherme Di Curzio


COSTURAS

Pretas PalaBRas

28/4 – quarta – 18h

Facebook: Pretas PalaBRas

Duração: 30 minutos + bate-papo

Classificação: Livre

Lançamento do videopoema que versa os caminhos do coletivo poético Pretas PalaBRas. Por meio das narrativas de vida e arte das integrantes Anna Magalhães, Mayara Ísis e Janys, vão se costurando linhas históricas de mulheres negras da diáspora, reverberando vozes e memórias latino-americanas em um encontro que se transforma em luta e fazer artístico. Após apresentação do videopoema, o coletivo Pretas PalaBRas fará breve bate-papo sobre como se construíram as vidas das mulheres negras diaspóricas.

Pretas PalaBRas é um coletivo poético de voz e resistência de mulheres negras, que promove a vida, a luta, a visibilidade e o protagonismo preto e feminino por meio da poesia. Surgido em 2015, inicialmente como ação afirmativa do Núcleo Negro do Movimento Feminista Mulheres em Luta, o grupo se solidificou em sua trajetória poética e tem como premissa trazer as múltiplas expressões das mulheres negras da América Latina, além de discussões de gênero, raça e classe.  Integram o coletivo Anna Magalhães, Mayara Ísis e Yanelys Abreu. | Foto: Anderson Carvalho


SONORIDADES AFROLATINAS

Janys + Pedro Bandera

29/4 – quinta – 12h e 18h

Facebook GAL Grupo de Apoio à Loucura

Duração: 15 minutos cada parte

Classificação: Livre

América Latina se fez do pranto, da luta e da resistência, mas também da música. Sonoridades Afrolatinas chega para estabelecer pontes e diálogos de (re)existências neste continente atravessado pelos cantos negros, pelos tambores e pela ancestralidade. Ecoando em um toque singular e plural ao mesmo tempo.

Janys é cubana, formada em Letras, Mestre em Estudos Hispânicos e Doutora em Estudos Linguísticos. Faz parte do coletivo poético Pretas PalaBRas e dos grupos de maracatu Baque Mulher-BH, Bombos de Iroko e Estrela de Aruanda. Traz na sua poesia a multiplicidade de lugares que a atravessam e a sonoridade do Caribe. Pedro Bandera é cubano e reside no Brasil há 17 anos. É músico, produtor artístico e articulador cultural. É Licenciado em Educação Musical e tem Especialização em Percussão Cubana e Afro Cubana. É sócio fundador da Difusora Cultural Havana6463, focada na divulgação e no Intercâmbio Cultural Brasil–Cuba–Latino-América. É percussionista do Grupo Alafia e Diretor de Batanga & Cia. Foto Janys: Anderson Carvalho


SARAU PRETAS PALABRAS

Pretas PalaBRas

30/4 – sexta – 18h

Facebook: Cia. Cênica 

Duração: 60 minutos

Classificação: 14 anos

Acessibilidade em Libras 

O Sarau Pretas PalaBRas já é uma tradicional atividade poética do coletivo Pretas PalaBRas, que propaga a poesia preta, o protagonismo da mulher negra e as discussões político-sociais. Além de trazer apresentações das três integrantes, Anna Magalhães, Mayara Ísis e Janys, de suas poesias autorais, são recitados outros poemas de autoras negras da América Latina, além de serem convidades para breves apresentações as pessoas que se inscreverem no momento do sarau.

Pretas PalaBRas é um coletivo poético de voz e resistência de mulheres negras, que promove a vida, a luta, a visibilidade e o protagonismo preto e feminino por meio da poesia. Surgido em 2015, inicialmente como ação afirmativa do Núcleo Negro do Movimento Feminista Mulheres em Luta, o grupo se solidificou em sua trajetória poética e tem como premissa trazer as múltiplas expressões das mulheres negras da América Latina, além de discussões de gênero, raça e classe.  Integram o coletivo Anna Magalhães, Mayara Ísis e Yanelys Abreu. | Foto: Anderson Carvalho